Robô salva-vidas reconhece afogamentos e ajuda pessoas sozinho

Engenheiros alemães estão desenvolvendo um robô salva-vidas capaz de reconhecer afogamentos e ajudar vítimas. Além de servir de apoio a equipes de salvamento, o grupo espera que a criação atue de forma autônoma em locais onde não há salva-vidas disponíveis.

Engenheiros alemães estão desenvolvendo um robô salva-vidas capaz de reconhecer afogamentos e ajudar vítimas. Além de servir de apoio a equipes de salvamento, o grupo espera que a criação atue de forma autônoma em locais onde não há salva-vidas disponíveis.

A ideia é criar um sistema independente, desde a identificação da vítima até sua retirada da água. Para tanto, serão utilizadas câmeras de vigilância, montadas no teto das piscinas, drones e até zepelins de propaganda. Esses equipamentos vão registrar os padrões de movimento e a posição da vítima, e enviar as coordenadas para o robô, que ficará em uma “garagem especial”, no piso da piscina.

Assim que ocorrer uma emergência, o compartimento será aberto e o robô sairá em busca da pessoa. Uma vez identificada, ela será resgatada e levada à superfície. O mecanismo foi avaliado em alguns testes e apresentou um desempenho promissor.

Resultados impressionam

Um boneco de 80 quilogramas foi deixado a três metros de profundidade. Após identificá-lo, o robô o pegou e o levou para a superfície em apenas alguns segundos. Em seguida, escolheu a rota mais curta até a borda da piscina, onde uma equipe de resgate já estava aguardando após receber um sinal de alerta da máquina.

“A operação de resgate completa durou pouco mais de dois minutos. As vítimas devem ser ressuscitadas em cinco minutos para evitar danos ao cérebro a longo prazo. Fomos capazes de permanecer dentro desse período crítico sem problemas,” disse o idealizador do projeto, Helge Renkewitz.

Design inspirado nas arraias

a Fraunhofer IOSB-AST/Reprodução 

A equipe se inspirou nas arraias para criar um design que oferecesse eficiência e segurança na hora do resgate. Apesar disso, o robô ainda está longe do seu modelo ideal. Atualmente, a máquina é possui 90 centímetros de comprimento, 50 cm de altura e 50 cm de largura.

O objetivo, no entanto, é reduzir ainda mais as suas dimensões, criando um sistema mais leve, econômico e com diferentes versões para uso em piscinas, lagos, represas, portos e fazendas de criação de peixes.

“Nossos veículos subaquáticos têm uma ampla gama de aplicações. Por exemplo, eles também são adequados para detectar e verificar artefatos arqueológicos no fundo de lagos,” disse Renkewitz.
Fonte: Tecmundo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *